sexta-feira, 15 de dezembro de 2006


"Uma Vez amei;

Julguei que me amariam.

Mas não fui amado.

Não fui amado pela única grande razão -

Porque não tinha que ser...

Consolei-me voltando ao sol e à chuva,

e sentando-me outra vez à porta de casa.

(...)

A realidade não precisa de mim."


Alberto Caeiro


2 comentários:

lu disse...

Somos sempre amados, mesmo que não seja como nos filmes que a nossa cabeça tece.

Um poema bonito. Beijocas

deep

Araj disse...

somos sempre amados... pode é não ser da forma que queremos