domingo, 14 de junho de 2009

Se um português marinheiro, dos sete mares andarilho,
fosse quem sabe o primeiro a contar-me o que inventasse,
se um olhar de novo brilho no meu olhar se enlaçasse.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.
Se ao dizer adeus à vida as aves todas do céu,
me dessem na despedida o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu, amor que foste o primeiro.

3 comentários:

ana maria disse...

Belo e forte este fado,
bela o lugar deste mundo, que chega para uma pausa intensa!

Gosto!

ana maria disse...

"Belo" o lugar...Sorry!

deep disse...

Cafezinhos na marginal e passeios na Lagoa do Fogo?

Também quero!

Gosto: das fotos, da música.

Beijocas